segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

É...

Agora o que se vê é um grande espaço sem graça e sem cor.



E um grande tempo sem vontade.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Sul de Minas

Me importa apenas que não seja
essa simplicidade um esconderijo das vontades.
Que não seja a humildade
o refúgio das verdades e das vaidades.

Os campos verdejantes,
os lírios perfumados,
a pequena casa distante,
isso é natureza morta,
é homem morto.
Admitamos.