quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Olho de Gude

Aqueles olhos mal ditos
buticões de vidro
pingam um licor absíntico
e rolam sobre essa poça
de humor aguado
da realidade das coisas

Um tanto diluídos

olho de peixe
olho d´água
olho morto
olho gordo
olho pelado

Buticões de vidro
desembestados


Yellow

Mil ipês refletindo o sol
a estação não deixa de ser bela
apesar de amarela

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Totens

No vasto capim
dois totens
pairam sobre o dia

átomos se distanciando
balé de elétrons
fractais preguiçosos
movimentos tectônicos

o universo solar
de domingo
em plena expansão.

Marcenaria

Pausa na leitura
eu, esticada no sofá
penso em você:
como deve ser bonita a execução
do ofício santo da marcenaria

Fico desejando ser
fina e reta
a tábua que você alisa
calcula e esquarteja

Nessa hora da luz do dia
tomar vinho na taça do freguês
transformar em peça de deboche
e acabar com o cristo marceneiro burguês

Olho para o livro novamente
e para a ponta dos dedos:
você vai adorar
o meu esmalte preto.